O Idiota

Posted in Não categorizado on 29/11/2010 by Lippelt, F.

Aos leitores que esse blog tem, informo-lhes que este é o último texto aqui postado.

Sou aquele que você atravessa a rua para evitar cruzar o caminho, aquele cujo o rosto assombra os piores pesadelos.

Sou aquele que perdeu as esperanças, uma casca sem alma, sem objetivos, apenas um corpo vagante.

Sou aquele que abandonou a alegria, matou a felicidade e assassinou o amor.

Sou aquele cujos os olhos fundos demonstram o desgaste do mundo, a podridão da humanidade, o ódio irracional do homem.

Eu sou O Idiota.

Sentimentos…

Posted in Não categorizado on 28/11/2010 by Lippelt, F.

Sozinho na sala do apartamento, penso em você nessa exato instante.
A luz da TV ilumina parcialmente meu rosto, qual será a expressão que se encontra nele… Saudosismo, tristeza, um sorriso bobo talvez, nem eu mesmo sei.

Sei que sinto sua falta, a cada instante, é uma saudade incomum, forte, gostosa e triste ao mesmo tempo, não vejo a hora de reencontra-la de sentir seu abraço novamente.
Ah seu abraço que me tira do ar, me faz me sentir como uma criança, a pressão de sua pele quente, os arrepios que me proporcionam, o som de sua respiração, o sumiço do mundo ao redor e a alegria massiva que me invade, são os poucos segundos que param o mundo, os poucos segundos que me fazem continuar e lutar.

Cada segundo mais, eu sei que amo você, percebi que não adianta lutar contra, mesmo que eu quisesse, é impossível resistir. Não imaginei que sentiria algo tão forte por alguém.

Olho o relógio, ele marca 4 horas da manhã, penso onde você pode estar agora, queria poder me tele transportar para o seu lado, da-lhe um abraço fortíssimo e dizer a você o quanto eu te amo.

Dou um último sorriso antes de ir dormir, desejo-lhe a melhor noite possível de sono e digo um eu te amo que espero que chegue até você

O Sorriso

Posted in Não categorizado on 24/11/2010 by Lippelt, F.

Sempre tive inveja de seu sorriso bobo e inocente.

O qual sempre você usou para alegrar, consolar ou sorrir junto com seus amigos.

Você que nunca teve um dia triste, sempre sorrindo, mesmo quando doente, mesmo quando você era a piada ou mesmo quando não devia.

Agora você vai perceber o quanto seu sorriso que ajudou tantos amigos vai fazer falta.

E todos seus amigos vão lutar pra traze-lo de volta.

Sempre estaremos com você Paulinha, conte conosco para qualquer coisa, pois nós somos seus amigos, e nunca vamos abandoná-la,

 

Força Pa!

Sem Título

Posted in Não categorizado on 22/11/2010 by Lippelt, F.

Faz um bom tempo que não escrevo nada.

Acho que me faltam histórias, idéias ou motivos.

Talvez seja só saudades que me causem um bloqueio.

Talvez tenha esgotado a fonte de idéias.

E nada mudou nesse tempo sem escrever.

Aprender

Posted in Não categorizado on 28/10/2010 by Lippelt, F.

Um dia você aprende que…

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.

E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.

E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.

E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam…E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destrui-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida.

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.

E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você é na vida.

E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que você mesmo pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.

Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.

Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.

Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.

Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.

Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não lhe dá o direito de ser cruel.

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar isso.

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.

Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.

Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.

O Brinquedo

Posted in Não categorizado on 28/10/2010 by Lippelt, F.

Brinquedos são ótimos, você se diverte com eles  pelo tempo que quiser, então quando enjoar você apenas os troca por algo mais novo.

Você não precisa se preocupar em magoá-los, eles não tem sentimentos, não ficam tristes de serem postos de lado.

No momento, me sinto como um brinquedo, sou usado quando querem, quando não querem, apenas deixam de lado e reclamam se falo “oi”. Acho que seria bem mais fácil se eu não falasse, agisse como um simples boneco, servindo a minha função, ficaria quieto ao ser largado.

Apesar de machucar, ser um brinquedo tem suas vantagens, acho que finalmente entendi o lado de Toy Story da vida, é ótimo quando você é usado para sua função e tudo dá certo, o mundo é pura magia e felicidade, o real problema é que a magia some, a felicidade vira tristeza, raiva, solidão e você percebe que você não é nada mais que um brinquedo para as horas necessárias….

Conjecturas Bestiais

Posted in Projetos on 23/10/2010 by Lippelt, F.

Tudo começou com um amigo me apresentando o Nerdcast, no começo não dei muita atenção, não via graça em ver alguns caras conversando sobre um assunto qualquer.

Acabei assinando no iTunes com a idéia de “um dia eu escuto”.

Com o tempo, acabei adquirindo um iPod e escutava durante a “viagem” até a faculdade, sempre recheado de muitas risada e sendo tachado de louco por ficar rindo sozinho.

De fato, se tornou um vício cultural, é algo surpreendente, de certa forma educativo e recheado de um humor refinado.

Apresentei a um amigo, que logo também começou a gostar, com o tempo passando e nossas idéias fervilhando, resolvemos criar nosso próprio Podcast, no começo, nada mais que uma idéia. Com o tempo, resolvemos botar a idéia em prática.

Assim surgiu Conjecturas Bestiais, o nome demorou a aparecer, passamos por Trilha Sonora, A Máscara, entre outros em sua maioria relacionados a música.

Até que perguntamos a uma pessoa “Como você definiria nós dois em palavras?” os resultado foi isso, até rolou uma brincadeira de minha parte, “Tem toda sua viadagem e minhas besteiras“.

Gravamos vários pilotos, nenhum nos agradando, até que finalmente achamos um assunto bom e só falta finalizar.

Quem sabe dá certo…